Bem-vindo

Qual o sabor do conto que você gostaria de ler?

sábado, 7 de maio de 2011

O presente da mamãe

Vou sair com meu pai para comprar o presente da mamãe. Hoje é o dia dela. Papai me pergunta onde quero ir, o que quero comprar. Penso para responder. “Vamos ao shopping, mamãe gosta de bolsas e sapatos”. Tem mais disso do que eu tenho de brinquedos. Mas eu entendo, ela quer estar sempre linda. Não que para isso ela precise de sapatos e bolsas. Para mim, ela é naturalmente linda. Essa necessidade deve ser a tal da ‘compulsão feminina’ que papai sempre fala, e significa: ‘nossas mães terem mais bolsas e sapatos do que precisa’. Mas se é o que ela gosta, aquela bolsa parece combinar com ela. Não sei, talvez muito comum. O sapato é bonito, mas não me encanta. Sabe, o presente tem que me encantar, e não quero que ele seja ‘mais um’ por causa da tal compulsão falada lá em cima. Afinal, ele é para a mais encantadora das mulheres desse planeta. Papai arrisca uns palpites, mas acho que não vou seguir - aquele aspirador de pó que ele deu no aniversário dela não deixou mamãe muito feliz. Perfumaria - mas ela já é tão perfumada. Lojas de roupas - mamãe está sempre na moda. Utilidades domésticas nem pensar - nada que faça mamãe trabalhar. Olho para as vitrines, e o que vejo é o reflexo de um filho, cansado de caminhar pelos corredores de lojas e desiludido por não encontrar o melhor presente para a melhor mãe do mundo. Poderia não me preocupar. Se eu chegar em casa de mãos vazias, o discurso sincero será - que o maior presente da vida dela sou eu. Acredito nisso, mas não vou me enrolar em um laço de presente. Volto pra casa, na esperança de uma idéia que cruze meu caminho. Mas o que cruzou foi uma flor. Grande e de um vermelho tão intenso, quanto um coração. Eram centenas delas. Centenas de corações. Dá pra embrulhar? Não, não dá. Chego em casa e ela me espera. Abre os braços e me aperta. Certamente está agradecendo o presente sem laço de fita, eu. Mas eu tenho um presente. Pego sua mão, proponho um passeio e te entrego um jardim.

10 comentários:

  1. Lú muito lindo...realmente nossos melhores presentes são nossos pequenos..não falta mais nada!!!Bjs FELIZ DIA DAS MÃES!!!

    ResponderExcluir
  2. Tati querida, você sempre acompanhando o blog. Fico muito feliz. Beijo grande nas duas princesas.

    ResponderExcluir
  3. Lu, muito lindo, verdade.... nada mais gostoso do que um abraço apertado, o cheirinho do nosso eterno bebe, o calor do seu amor!!!! bjs

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Neilinha. Beijocas no filhão e parabéns pelo dia de ontem.

    ResponderExcluir
  5. Tia, você aqui de novo. Ebaa! Vale também calor do amor de sobrinha? Amo de montão.

    ResponderExcluir
  6. Tão simples resolver o que dar de presente, né? E isso serve não só para mamães. Um carinho, um gesto, vale mais do que qualquer embrulho. Por exemplo, seu 'amo' no comentário acima, para mim já foi um presente, que eu retribuo - Amo você também!

    ResponderExcluir
  7. Entre mães e filhos, o maior presente é ser presente. Que não nos esqueçamos da importância do "ser" - mesmo que pareça algo difícil. =)
    Que gostoso o conto e a Casinha. Parabens!

    www.donamarciasilva.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Obrigada, Marcia pelo lindo comentário. Beijo e volte sempre.

    ResponderExcluir